IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Siga-nos:

Artigo, Monografia, Tese ou Dissertação

Os arquivos estão disponíveis para downloads podendo ser encontrados em diversos formatos.


Estudo de Caso: Território do Sertão do São Francisco (IRPAA) – Fomento às Atividades Rurais

Estudo de caso  sobre  trabalho de Assessoria Técnia e Extensão Rural (Ater) realizado pelo Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (Irpaa). Este estudo de caso faz parte de uma série de estudos da Iniciativa Brasileira de Aprendizagem por um Mundo sem Pobreza (WWP) com utoria de Francesco di Villarosa. Ano: 2016.

seta Baixar arquivo (PDF)


ATER no Semiárido: um encontro de possibilidades e desafios para o desenvolvimento rural do Território de Identidade Sertão do São Francisco - Bahia

Este artigo apresenta os resultados de uma atividade investigativa sobre as ações de Assessoria Técnica e Extensão Rural (ATER), mediante a perspectiva da Convivência com o Semiárido, a fim de apontar alguns dos atuais desafios para o desenvolvimento desses serviços no Semiárido Brasileiro. O objetivo maior deste trabalho foi diagnosticar os problemas e os desafios estruturantes que afetam as famílias atendidas pelo Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA no Projeto de Assessoria Técnica e Extensão Rural – ATER – Plano Brasil Sem Miséria – PBSM, no Território de Identidade Sertão do São Francisco – TSSF, norte da Bahia. A metodologia que conduziu a análise foi de abordagem qualitativa, e utilizando como instrumento a pesquisa exploratória de campo; foram pesquisados técnicos/as de ATER, e respectivamente foram analisados os perfis das famílias de agricultores/as familiares atendidas pela assessoria técnica. Conclui-se que diante dos desafios complexos e históricos apontados no decorrer deste estudo, que existem fatores externos à ação da Assessoria Técnica no contexto de vida das famílias acompanhadas, como por exemplo, a problemática do acesso a terra, à água e a produção agropecuária que somente poderão ser resolvidas mediante uma mobilização e organização social das famílias e efetivação de políticas públicas apropriadas a essas realidades.

 

 

seta Baixar arquivo (PDF)


Educação para Convivência com o Semiárido e Direitos Humanos: experiências educativas do Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA

Dissertação de mestrado submetida ao Programa de Pós-graduação em Educação e Contemporaneidade da Faculdade de Educação Campus I, da Universidade do Estado da Bahia - UNEB.

seta Baixar arquivo (PDF)


Regularização Fundiária das Comunidades Tradicionais de Fundo de Pasto

São chamadas de Fundo de Pasto as comunidades localizadas no semiárido do Nordeste, as quais, unidas por fortes laços de parentesco e compadrio, utilizam tradicionalmente áreas sem cercamento e de forma compartilhada. Preserva-se nestas comunidades o grande valor histórico e cultural inerente ao modo de vida e à relação com a natureza, transmitida secularmente. Mesmo possuindo assento no Decreto n° 6.040/2007, que garante a proteção dos territórios ocupadas por comunidades tradicionais, existem vários conflitos decorrentes da ausência de regularização, demostrando-se nesses locais um arranjo fragilizado, em que se apresentam várias tentativas de tomadas de terras. A Constituição Estadual da Bahia discrimina o instrumento especifico para acesso à terra nessas comunidades, através de Concessão de Direito Real de Uso; no entanto, tal instrumento é um obstáculo para os Fundos de Pastos, por não transferir o domínio das áreas. Como requisito essencial para elaboração do contrato, a Lei n° 12.910/2013 destacou a necessidade de certificação de reconhecimento, estipulando um prazo limite para autodefinição quanto comunidade de fundo e para o seu autorreconhecimento como comunidade tradicional.

 

seta Baixar arquivo (PDF)


Acción comunitária para el agua em el semiarido brasileño: esquema de los factores para lograr el éxito.

Texto produzido por Johann Gnadlinger para o  Forum Mundial da Água, no México, em 2006.

seta Baixar arquivo (PDF)


Efeito da Substituição de Farelo de Soja por Torta de Algodão Moída no Confinamento de Ovinos

Dissertação de mestrado de André Azevedo Rocha. O objetivo desse trabalho foi avaliar os parâmetros sanguíneos, o desempenho produtivo e econômico de ovinos, nos diferentes níveis de substituição do farelo de soja por torta de algodão com 120 ppm de gossipol livre, na alimentação, em diferentes períodos.

seta Baixar arquivo (PDF)


Experiência de Assessoria Técnica e Extensão Rural para a Convivência com o Semiárido

O relato descreve a experiência de ATER desenvolvida pelo Irpaa no território Sertão do São Francisco na Bahia, com o acompanhamento de agricultores familiares em situação de extrema pobreza. A partir das ações de ATER para convivência com o Semiárido. 

seta Baixar arquivo (PDF)


Caracterização do sistema hídrico do agricultor Cicero Cerqueira no contexto do Semiárido Brasileiro

O relato retrata a experiência do senhor Cicero Cerqueira, agricultor familiar no Município de Curaçá – BA, por meio da Caracterização do sistema hídrico existente na sua propriedade, fazendo uma relação das tecnologias para captação e armazenamento de água com a produção, e viabilizando a convivência com o semiárido.

 

seta Baixar arquivo (PDF)


A importância das comunidades tradicionais de Fundos de Pasto: estudo de caso em Testa Branca Uauá-BA

Mesmo estando inseridas em um território marcado por experiências históricas de luta e resistência popular contra os inúmeros projetos de exploração econômica, social e cultural de dominação capitalista, as comunidades Fundos de Pasto ainda permanecem distantes de sua diversidade material e simbólico-cultural, muitas vezes tornando-se despercebidas. A escolha desse tema como trabalho de conclusão de curso de graduação em Agronomia procura dar visibilidade a estas comunidades, fortalecendo seus processos de organização e as potencialidades da região do Semiárido nordestino, onde se insere. Trata-se de um estudo de caso que tem por objetivo geral discutir a participação e importância econômica da comunidade de Fundos de Pasto Testa Branca do município de Uauá-BA, identificando suas viabilidades e necessidades de garantia de território e, para isso, utiliza-se de vários procedimentos metodológicos, como a realização de reuniões com entidades que atuam na comunidade; observação participante; etnografia; oficinas participativas e rodas de conversa, entre outros. Espera-se, com isso, identificar qual a participação econômica deste tipo de comunidade; observar se existe relação entre a participação econômica e o tamanho do território de uso coletivo das comunidades; discutir sobre a viabilidade das comunidades de fundos de pasto e averiguar a necessidade de regularização fundiária dos territórios tradicionalmente ocupados.

seta Baixar arquivo (PDF)


Colhendo Água no Semiárido: Agricultura Familiar

O material tem por objetivo socializar a experiência de uma família de agricultores que fazem uso da água de chuva na manutenção de um quintal produtivo e sua contribuição para a Convivência com o Semiárido.

seta Baixar arquivo (PDF)


Colhendo Água no Semiárido: Pecuária Familiar

A proposta de Convivência com o Semiárido se contrapõe ao combate à seca e evidencia as potencialidades e as adaptações necessárias à vida num clima quente e seco com chuvas irregulares no tempo e no espaço geográfico. Disseminada pelo IRPAA há 25 anos, a proposta ganha força com a adesão de instituições integrantes da ASA – Articulação Semiárido Brasileiro, e mais recentemente por órgãos governamentais no âmbito da criação da Política Nacional de Convivência com o Semiárido. Para uma convivência efetiva, um dos eixos temáticos mais importantes é a captação e manejo da água de chuva. Idealizado pelo IRPAA e EMBRAPA em 1999, vem sendo realizado o simpósio sobre o tema citado, onde o/a agricultor/a também é protagonista, com o objetivo de propor e discutir soluções para a problemática do acesso e uso racional da água.

seta Baixar arquivo (PDF)


Modelagem do rendimento da palma forrageira e a sua aplicabilidade na análise da eficiência produtiva e do risco climático no Estado da Bahia

Tese de mestrado de Ana Virgínia Terrnova de Carvalho, sobre um tema muito interessane e pertinente para o Semiárido Brasileiro: a palma forrageira.

seta Baixar arquivo (PDF)


Os saberes tecidos no contexto: a vertente educativa da Convivência com o Semiárido fundamentando novas práticas e metodologias pautadas na contextualização

A reflexão que se traz neste artigo é sobre a vertente educativa e cultural impulsionada pela proposta da ‘Convivência com o Semiárido Brasileiro’, e como tece seus nós para construir a Educação Contextualizada.
 

seta Baixar arquivo (PDF)


A reapropriação social da natureza: um estudo preliminar das ações de “Convivência com o Semi-árido” pela Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá – Bahia

O contexto contemporâneo marca-se pela globalização regida pela racionalidade econômica e pelas leis do mercado, no entanto, emerge uma política do território, do ser e do tempo reafirmando identidades, mobilizando lutas por novos direitos culturais dos povos, pela legitimação de regras mais plurais, pela reafirmação da convivência social e de reapropriação da natureza.
 

seta Baixar arquivo (PDF)


Natureza, território e desenvolvimento rural no Semi-árido brasileiro: estudo preliminar das ações da ‘Convivência com o Semi-árido’ em Juazeiro – Bahia

As considerações postas neste trabalho tratam-se da relação natureza, território e desenvolvimento rural no Semi-Árido e suas correlações com a proposta da “Convivência com o Semi-Árido”.Estas questões são pensadas empiricamente para o território de Juazeiro (...). A partir dos significados sobre a natureza e o território Semi-Árido, analisa-se as influências dessas concepções nas intervenções estatais e como se projetou um modelo de desenvolvimento rural para o referido espaço, com foco para o território de Juazeiro.
 

seta Baixar arquivo (PDF)


Seca no Semiárido?

Para iniciar a conversa gostaria de fazer uma correção terminológica. O termo “seca”, ao meu ver, não cabe bem no contexto climático do semiárido. A palavra “seca” quer caracterizar uma situação climática excepcional, de baixa pluviosidade, numa região que normalmente apresenta chuvas regulares. Esta definição não se aplica ao SAB (Semi Árido Brasileiro).

Tamanho do Arquivo: 165,9 kb
 

seta Baixar arquivo (PDF)


Os Fechos “Fechos de Pasto”, terra de uso coletivo, território das Comunidades camponesas no Vale do Rio Arrojado

Artigo escrito por Eldo Moreira Barreto, que atualmente integra a Equipe do Irpaa e é membro da comunidade Camponesa de Praia e da Associação Comunitária dos Pequenos Criadores do Fecho de Pasto de Clemente – localizada no Município de Correntina – BA.

Tamanho do arquivo em PDF 2,5 Mb

seta Baixar arquivo (PDF)


O Barreiro Trincheira

Escavadeira hidráulica

A ideia do Barreiro Trincheiro é antiga. São os “caxi­os”, reservatórios escavados no subsolo, com pare­des verti­cais estreitos e profundos. A intuição e experi­ência davam razão à população: quanto maior a profundi­dade e me­nor a superfície do reservatório, mais tempo durará a água captada da chuva.

O advento dos tratores de esteira significou o fim dos caxios, que por certo exige muita garra das famílias e trabalho em anos seguidos. As escavações feitas pelo trator de esteira resultam em bacias de ampla superfície, mas pouca profundidade. Estes reservatórios secam rá­pido, pela maior infiltração no solo e grande evapora­ção.

Este trabalho foi apresentado no 8º Simpósio de Captação e Manejo de Água da Chuva em Campina Grande, PB, 14 a 17 de agosto de 2012

veja o texto todo em .pdf (264 KB)

seta Baixar arquivo (PDF)


A Bomba d´Água Popular

BAP

No SAB (Semiárido Brasileiro) encontramos de um lado bombas d'água motorizadas, de tecnologia avançada e do outro lado muitos equipamentos tecnologicamente antiquados, fabricados com matérias-primas inferiores e de vida útil curta. Existem os cataventos do tipo leque, nas suas torres de ferro, que lembram cenas do faroeste americano ou as pesadas bombas de braço, feitas em ferro fundido, com tecnologias da época da imigração alemã. E encontramos as mais modernas bombas elétricas centrífugas submersas que necessitam de um conjunto gerador para fornecer a energia elétrica trifásica onde não exista rede elétrica. Ou então bombas submersas, impulsionadas por painéis fotovoltaicos, controlados por microprocessadores. Faltava uma bomba manual resistente, de fácil manejo, de preço acessível e que pudesse aproveitar a água relativamente rasa e com vazão pequena do embasamento cristalino que predomina em 80 % desta região. Este artigo quer mostrar o caminho, antecedentes e circunstâncias que a introdução da Bomba d'Água Popular (BAP) tomou, além de descrever seu projeto tecnológico e sua utilidade.

Este artigo foi apresentado no 8º  Simpósio de Captação e Manejo de Água de Chuva em Campina Grande, PB,  14 a 17 de agosto de 2012

Veja em .pdf (788 KB)

seta Baixar arquivo (PDF)


SEGURO GARANTIA-BODE

 

SEGURO GARANTIA-BODE

Clovis Guimarães Filho1

Os governos, federal, estaduais e municipais, pagaram seguro garantia-safra a mais de 700 mil agricultores familiares do semiárido na safra 2010-2011 e, por incrível que pareça, ainda fazem ruidosa publicidade dessa ação que pode ser considerada como um prêmio a um insucesso planejado. O foco central dos debates é equivoca­do. Não se discute a produção e o que precisa ser feito para incrementá-la. Pratica­mente não se vê nos noticiários publicidade sobre tonelagens recordes, ou mesmo normais, de milho e feijão produzidas, apenas quantas mil famílias foram “beneficia­das” com os programas de distribuição de sementes ou com o pagamento do seguro. Bastante compreensível a omissão, considerando que os cultivos de mi­lho e do feijão no semiárido só têm chance de sucesso em três de cada dez anos de cultivo. O problema é que o seguro garantia-safra é aplicado para qualquer área do semiárido, sem critério claro de zoneamento e na grande maioria dos cultivos, nas zonas mais secas, o agricultor familiar não conta com qualquer apoio técnico efeti­vo. Um estudo da Embrapa indica que essas culturas são de muito baixa viabilidade em mais da metade da área do semiárido, aquela correspondente às áreas conside­radas no estudo como de “baixa oferta ambiental”. Somente no estado do Piauí o governo já pagou mais de 120 milhões de reais aos agricultores por perdas na safra no período 2003 a 2010. Dos mais de 68 mil agricultores inscritos no Garantia Safra 2010-2011, apenas 338 (meio por cento) conseguiram salvar mais de 50% da pro­dução esperada. Pode-se afirmar que, de certa forma, eles foram induzidos a plan­tar o que não deveriam plantar. Em Pernambuco, dos 66 municípios inscritos, 52 co­municaram perdas ao MDA. Por que a persistência com este programa que estimu­la o cultivo do que não dá para pagar o seguro porque não deu? Por que não limi­tam o seguro às áreas onde essas colheitas sejam agronomicamente mais viáveis e nas áreas mais secas implantam um seguro mais coerente com aquilo que realmen­te é estratégico para a vida do produtor que nelas habita, como o caprino, o ovino, o mel, a galinha e o umbu. Seria um programa que poderia genericamente se cha­mar seguro “garantia-bode” ou “seguro-bode”, o que sintetiza aquilo que realmente o produtor familiar precisa, pois quando a falta de chuvas induz uma escassez des­ses produtos, o produtor e sua família têm realmente comprometida a sua sobrevi­vência. Todo o mundo sabe do valor do bode como o principal fator de fixação do caatingueiro, mas, até hoje, nenhum programa massivo de formação de reservas de forragem para o período seco foi implementado. Alguém sabe qual foi o estoque es­tratégico, em toneladas de silagem ou de feno ou de palma ou de palhadas, monta­do pelos estados do Nordeste para enfrentar o período seco de 2011? E para 2012, quais são as metas previstas? Parece que a ocorrência de uma seca sempre nos pega de surpresa. As armas efetivamente estratégicas contra as secas devem resi­dir em planos microrregionais ou territoriais articulados das secretarias estaduais de agricultura com os municípios e as organizações de produtores, tendo por base o re­conhecimento das secas como fatores normais de produção e não como anormali­dades. O continuísmo de programas que priorizam a distribuição indiscriminada de sementes de milho e feijão, de animais “melhoradores”, de carros-pipa, de cestas básicas, de bolsas isso e bolsas aquilo apenas sugere o completo desconhecimento do potencial em recursos naturais e humanos do semiárido para seguir um caminho mais compatível com as demandas de suas populações. O nosso desafio é adequar as inovações e as políticas públicas às circunstâncias e potencialidades dos produ­tores de base familiar do semiárido, tomando em consideração suas instituições, sua racionalidade, seu limitado acesso a insumos e a assistência técnica e os recur­sos disponíveis na propriedade. No semiárido, como em qualquer outra região, cada ação ou etapa desse trabalho, inclusive a introdução de novas tecnologias, deve ter seu tempo certo e seu espaço adequado para execução. Em suma, não podemos continuar alterando o ecossistema para adaptar pseudo-soluções exógenas. As ver­dadeiras soluções estão aí, bem a nossa frente. Só precisamos aprender a enxergá-las. Urgentemente, já que a caatinga está sendo dizimada a um ritmo próximo aos 300 mil hectares anuais.
_______________
1 Médico-Veterinário, M.Sc. em Animal Science, ex-pesquisador da Embrapa, consultor do Projeto Bioma Caatinga-
BA 

seta Acessar Online


CAPRINO-OVINOCULTURA NO SEMIÁRIDO BAIANO – ALGUNS CAMINHOS PARA VIABILIZAÇÃO

por: Dr. Clorvis Guimarães FilhoCabra

As políticas públicas e programas de apoio à caprino-ovinocultura desenvolvidos até pouco tempo atrás no semiárido nordestino, além de dispersos e superficiais, se caracterizaram por uma concepção predominantemente assistencialista e por uma excessiva setorização, pelo que, em termos de resultados não propiciaram nenhuma mudança de real impacto ao nível de padrão de vida do produtor e de sua família. Pelo contrário, a ineficácia desses programas colocava sob ameaça de desaparecimento um enorme potencial de trabalho e produção, representado por mais de um milhão de unidades agrícolas de base familiar.

Veja o artigo completo em PDF, 91 Kb 

seta Baixar arquivo (PDF)


Lages das aroeiras: Territorialização, parentesco e produção em uma comunidade baiana de fundo de pasto

Dissertação apresentada por Elisa Machado Camarote ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre.

Arquivo em PDF, 1,4 Mb, 198 páginas

anexos: croqui: Anexo%202_Croqui.jpg

      genealogia: Anexo1_Genealogia_.pdf

seta Baixar arquivo (PDF)


A Importância da Marca para o Marketing Social da Rede Sabor Natural do Sertão

Por: Elisabete de Oliveira Costa Santos,

Faculdade São Francisco de Juazeiro - FASJ

Curso de Pos-Graduação latu senso em Marketing Institucional

Juazeiro, abril de 2008

arquivo em  .pdf, 115 páginas, 2 MB

seta Baixar arquivo (PDF)


Sequestro de carbono na caatinga

Publicação elaborada pelo agrônomo Markus Breuss, 2010.

seta Baixar arquivo (PDF)


Seca é seca, falta de água é política

 

Artigo elaborado pelo técnico do IRPAA, José Moacir dos Santos, em julho de 2008, a partir de uma manchete do jornal Bom Dia Piauí, da rede Globo no estado do Piauí, quando o autor defende a tese de que seca é apenas um fenômeno climático, enquanto a falta de água, depende do acesso á água, portanto uma decisão política.

 

seta Baixar arquivo (PDF)


COOPERCUC: UM EXEMPLO DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL SUSTENTÁVEL PARA ORGANIZAÇÕES COLETIVAS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

Umbuzeiro

TRABALHO ELABORADO POR

EGNALDO GOMES XAVIER

NO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO (LATO SENSU) EM
GESTÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL
CANDEIAS-BA

26 páginas,  316 Kb

seta Baixar arquivo (PDF)


A CONVIVÊNCIA COM O SEMI-ÁRIDO: DESENVOLVIMENTO REGIONAL E CONFIGURAÇÃO DO LOCAL NO PROJETO DO IRPAA

Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco.

ODOMARIA ROSA BANDEIRA MACEDO

163 páginas, 650 Kb

seta Baixar arquivo (PDF)


História do Semi Árido

seta Baixar arquivo (PDF)


Eliminação de vazamentos em cisternas de captação de água da chuva

Palestra proferida no 7º Simpósio de Captação e Manejo de Água de Chuva, em Outubro de 2009, em Caruaru - PE

 Haroldo Schistek

7 páginas, 270 Kb

veja: www.irpaa.org/fotos/file/Cisterna%20Consertar.pdf

seta Baixar arquivo (PDF)


A EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREA SEMI-ÁRIDA DA BAHIA

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREA SEMI-ÁRIDA DA BAHIA:
uma contribuição para a gestão

Edilene Barbosa Pinto

Tese mestrado, 171 páginas, 1,3 Mb

seta Baixar arquivo (PDF)


EDUCAÇÃO RURAL E DESENVOLVIMENTO LOCAL SUSTENTÁVEL

A Lógica Subjacente das Relações Inter-Setoriais

LUCIA MARISY SOUZA RIBEIRO DE OLIVEIRA

Tese doutorado, 291 páginas, 1,2 Mb

seta Baixar arquivo (PDF)


Currículo, Contextualização e Complexidade: Espaço de Interlocução de diferentes Saberes

Lucineide Martins Araújo  e Ana Célia Silva Menezes

Artigo, 13 páginas

 

seta Baixar arquivo (PDF)


Cultura e Subjetividade

Odomaria Rosa Bandeira Macedo

Artigo, 8 páginas

 

seta Baixar arquivo (DOC)


O elogio da convivência e suas pedagogias subterrâneas no semi-árido brasileiro

Álamo Pimentel Gonçalves da Silva

Tese doutorado, 260  páginas, 501 Kb

 

seta Baixar arquivo (DOC)


< voltar


Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48907-218 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005