IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Siga-nos:

Notícias

Água do Meio Ambiente é tema de estudo entre colaboradores/as do Irpaa

Água do Meio Ambiente é tema de estudo entre colaboradores/as do Irpaa

O Irpaa, ao longo dos seus 25 anos de trabalho pela Convivência com o Semiárido vêm defendendo a universalização de água. Nessa perspectiva, defende as cinco linhas de luta pela água: 1. Água para o consumo humano; 2. Água da comunidade; 3. Água da produção; 4. Água de emergência; 5. Água do Meio Ambiente. Seguindo a dinâmica de estudo interno, colaboradores/as do Irpaa estudaram a importância, conservação e preservação da água do meio ambiente para garantir o equilíbrio entre o ser humano e a natureza.

“Água do meio ambiente se refere a toda a água que está ao nosso redor, seja ela superficial ou subterrânea”, esclarece André Rocha, colaborador do Irpaa. Além disso a água o meio ambiente se refere a todo o ciclo hidrológico que envolve a chuva, a evaporação, a transpiração das plantas, a água no solo e que o ciclo da água está perturbada pelas mudanças climáticas. Ele ainda pontua a relevância de discutir essa temática, diante da diminuição de volume de água nos rios. Durante o discussão, André abordou que a preservação da vegetação é essencial para garantir o ciclo natural da água, pois contribui para a infiltração da água no solo. “Com a retirada da vegetação, no nosso caso da Caatinga, ocorre cada vez menos a infiltração no solo e assim não alimenta as reversas naturais”,afirmou.

Além do debate teórico, os/as colaboradores/as visitaram comunidades no interior de Curaçá, onde ações humanas causaram desquilíbro ambiental e hoje projetos ambientais tentam diminuir esses impactos. Na comunidade do Mucambo foi executado o projeto hidroambiental no Riacho Mucambo, pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, com o intuito de ajudar na recuperação de áreas degradadas e ameaçadas pela desertificação na microbacia, e reduzir o assoreamento do riacho. O presidente da associação do Mucambo, Arnaldo Cardoso, relata que “antigamente não tinha essas áreas devastadas… você plantava, você colhia”, hoje devido a queimadas, o desmatamento da vegetação, há uma diminuição da água do riacho temporário e seus afluentes.

De acordo com Arnaldo “o projeto já surtiu alguns efeitos, como nos barramentos de pedra [barrar material orgânico] ... barreiros trincheira [ captação de água da chuva para uso no período da seca] ”. Entretanto pontua que o projeto tem algumas falhas como na construção de vários barreiros trincheira com pouca profundidade, no uso de estacas não resistentes ao cupim e na escolha de áreas de preservação permanente e no cercamento inacabado de algumas áreas. O riacho Mucambo não é perene, mas, permite escavação de cacimbas de areia - boas fontes de água em tempos de seca, as quais vem sofrendo redução do seu volume de água em decorrência da degradação da mata ciliar e do assoreamento do riacho.

Outra comunidade visitada foi a de Espírito Santo, que sofre com impactos gerados pela mineração. O presidente da associação da comunidade, Albertino Almeida, relata a diminuição da vazão da água da cacimba de uso coletivo que fica no entorno da mineradora. Ele ainda pontua a devastação e secagem de algumas cacimbas e poços na comunidade como outros impactos da mineradora. Maria da Conceição relata o que aconteceu com o poço artesiano da sua propriedade: “o poço daqui era o mais próximo, mais ou menos 400 metros de distância de onde era explorado e acabou desmoronando”, ressalta a moradora da comunidade. Outro relevante prejuizo para a agricultora foi a perda de um minadouro de água. cuja a mesma escoam para um poço do córrego onde havia peixes, e foi destruído pela retirada de areia para uso nas estruturas de extração de minérios.

Conforme se observa, o manejo inadequado nas propriedades rurais interfere no ciclo natural da água, porém as grandes empresas de monocultura, as mineradoras, as empresas de energia eólica são maiores causadoras dos impactos ambientais. André pontua a necessidade do poder público revisar as leis ambientais, respeitar essas leis e posteriormente criar programas de capacitação, de formação ambiental, de fiscalização, monitoramento, controle e gestão de microbacias, entre outras ações.
 

Texto e Foto: Comunicação Irpaa

 

 

 


Veja também

< voltar    < principal    < outras notícias

Página:

Água do Meio Ambiente é tema de estudo entre colaboradores/as do Irpaa

Para:


Suas informações:



(500 caracteres no máximo) * Preenchimento obrigatório


Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48905-531 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005