IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Siga-nos:



Notícias

Comer é um ato político

Comer é um ato político

Sertaneja desde sempre, mãe, cozinheira e praticante da agricultura familiar, Francisca de Souza, a Sielda, como é carinhosamente conhecida, produz parte do próprio alimento há mais de seis anos. Graças ao respeito que tem com a terra, consegue respeitar também o seu corpo e forma como o alimento é produzido. “Eu faço por gostar, e faço por amor”, conta com um sorriso no rosto enquanto corta verduras e legumes orgânicos que servirão de base para o almoço do Centro de Formação Dom José Rodrigues. Sielda faz parte de uma realidade de sujeitos que têm promovido a discussão, mesmo que involuntariamente, sobre a alimentação como ato político.

Ter uma alimentação saudável e livre nos dias atuais se tornou uma necessidade e um grande desafio. À medida que os latifúndios, a monocultura e o agronegócio avançam, cresce exponencialmente a utilização de agrotóxicos. Segundo dados apresentados pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva, a população brasileira consome, por ano, o equivalente a sete litros de agrotóxicos, ou seja, aproximadamente um terço dos alimentos consumidos pelos brasileiros está contaminado. Hoje, o Brasil só perde para os Estados Unidos na utilização de venenos nas plantações.

Diante desta conjuntura, o debate sobre uma produção alimentícia consciente social e politicamente tornou-se necessária, seja nas organizações não governamentais, nos movimentos sociais, nas escolas, universidade ou em casa. Para Josivaldo Martins, colaborador do Eixo de Terra do Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (Irpaa), a falta de informações sobre a importância de uma alimentação saudável precariza ainda mais a qualidade de vida da população. Ele acredita que atualmente as pessoas não estão se preocupando com o tipo de alimento que estão consumindo por que existe um grande número de produtos industrializados que parecem ser mais práticos. “Ainda há um preconceito com alimentos saudáveis. Hoje, com a crescente produção de alimentos prontos e a força da mídia em cima deles, é mais prático pegar um produto na prateleira do supermercado e consumi-lo sem ao menos saber a origem, do que questionar como foi produzido”, afirmou.

A realidade assusta. Mas são histórias como a de Sielda e de tantas outras mulheres, agricultoras, mães, cozinheiras que nos fazem ter a certeza de que com muita luta e determinação podemos avançar na discussão sobre o consumo de alimentos sem veneno produzidos pela agricultura familiar.

Texto: Danilo Souza, André Amorim e Anette Maria Bento

Edição: Comunicação Irpaa
Foto: André Amorim


Veja também

< voltar    < principal    < outras notícias

Página:

Comer é um ato político

Para:


Suas informações:



(500 caracteres no máximo) * Preenchimento obrigatório




Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48905-531 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005