IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Siga-nos:

Notícias

Acesso à água para produção é ampliado para mais de 6,8 mil famílias do Semiárido

Acesso à água para produção é ampliado para mais de 6,8 mil famílias do Semiárido

Quando as famílias do Semiárido estão prestes a iniciar 2018 com apenas R$ 20 milhões no orçamento da união para serem gastos com tecnologias de armazenamento de água da chuva em todo o Brasil, surge um alento. A partir do mês que vem, 6.821 famílias da região serão contempladas com tecnologias que guardam água para a produção de alimentos e criação de animais. Além disso, cerca de 35% destas famílias (2.380) vão ter assistência técnica agroecológica por um ano após a instalação da tecnologia na propriedade.


Trata-se de mais uma etapa do Programa Uma Terra e Duas Águas da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) com apoio financeiro de R$ 100 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A parceria entre o BNDES e a ASA, com a participação da Fundação Banco do Brasil, vem desde 2013. De lá pra cá, foram investidos R$ 271 milhões que possibilitaram a construção de 25 mil tecnologias de segunda água para número igual de famílias agricultoras.


“A parceria com a ASA dialoga perfeitamente com a missão da instituição, que é contribuir para a redução das desigualdades sociais e regionais do nosso país. As cisternas de produção promovem não só a segurança alimentar das famílias atendidas, como também conseguem gerar renda para essas famílias. Trata-se, portanto, de uma ação de alto impacto social e é isso que o BNDES busca cada vez mais com o uso de seus recursos, seja ele de natureza reembolsável ou não”, comenta a Chefe do Departamento de Inclusão Produtiva do BNDES, Daniela Arantes.


Atualmente, na região semiárida, cerca de 150 mil famílias já fazem uso das tecnologias que estocam água da chuva para cultivo de alimentos. E quase o triplo – 400 mil famílias – necessitam delas para melhorar a sua alimentação e também a renda.


Para Valquíria Lima, da coordenação nacional da ASA pelo estado de Minas Gerais, essa parceria reanima a ASA, enquanto rede que constrói políticas públicas de convivência com o Semiárido, para se fortalecer no diálogo com o governo federal em defesa da não paralisação dos programas de acesso à água. “O governo brasileiro precisa entender que essas políticas públicas não podem ser interrompidas e que ele precisa cumprir sua missão que é garantir esse direito fundamental às famílias do Semiárido”, enfatiza.


A implementação destas 6.821 tecnologias sociais – cisternas-calçadão, cisternas-enxurrada e barreiros trincheiras – acontecerá durante o ano que vem em 34 territórios de nove estados que a ASA atua (MG, BA, SE. AL, PE, PB, RN, CE e PI). Para as 2.380 famílias que terão assistência técnica agroecológica, esse acompanhamento se dará no ano de 2019. Elas receberão um recurso de R$ 3 mil – o dobro do valor que as demais famílias atendidas pelo programa recebem – para ampliar a produção.


A ação do Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2) também contempla um processo de capacitação das famílias em gestão da água e no manejo agroecológico para a produção de alimentos. Essas capacitações acontecem com a participação de representantes das famílias em cursos e intercâmbios e do envolvimento delas em processos de sistematização das suas experiências.


Tecnologias sociais - Para Naidison Baptista, da coordenação nacional da ASA pelo estado da Bahia, é preciso olhar para as tecnologias sociais não só como soluções baratas e simples, mas como uma oportunidade para as famílias saírem da situação de subalternidade em que se encontram devido à falta de políticas públicas adequadas às necessidades de quem vive na região.


“Com estas tecnologias, quem não tinha água potável, passa a ter água potável [através do programa que garante a água para consumo humano, o Programa Um Milhão de Cisternas]. Quem não tinha água para produzir, tem água para produzir. Os grupos sociais saem da exclusão. As pessoas, que estavam marginalizadas, começam a satisfazer suas necessidades e ter acesso a direitos. Também podemos dizer que as tecnologias sociais promovem a democratização e acesso a bens e serviços, neste caso, principalmente, ao bem da água e ao bem da possibilidade da produção”, pontua.

 

Texto: Verônica Pragana / Asacom
Foto: Vladia Lima / Asacom 


Veja também

< voltar    < principal    < outras notícias

Página:

Acesso à água para produção é ampliado para mais de 6,8 mil famílias do Semiárido

Para:


Suas informações:



(500 caracteres no máximo) * Preenchimento obrigatório


Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48905-531 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005