IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Siga-nos:

Notícias

3º Festival do Umbu destaca os resultados do beneficiamento de frutas da caatinga

3º Festival do Umbu destaca os resultados do beneficiamento de frutas da caatinga

Durante os dias 11, 12 e 13 de fevereiro o município de Uauá receberá diversas pessoas e organizações nacionais e internacionais no 3º Festival do Umbu. O evento, realizado pela Cooperativa de Agricultores Familiares de Canudos, Uauá e Curaçá – COOPERCUC, busca dá visibilidade ao trabalho desenvolvido pelas famílias que, desde 2004, sabem da importância do beneficiamento de frutas da caatinga, principalmente o umbu que já é considerado símbolo cultural e ambiental da região.

 
Na programação da terceira edição do festival, oficinas sobre ecogastronomia, segurança alimentar e nutricional, tecnologias de produção de mudas e enxertia de umbuzeiros, além de discussões sobre Economia Solidária e Comércio Justo, Produção e Certificação Orgânica, Venda de produtos da Agricultura Familiar para o governo, irão facilitar a compreensão da comunidade local e participantes do evento sobre as vantagens fortalecer a Agricultura Familiar, tendo por base o desenvolvimento com sustentabilidade social e ambiental.
 
A programação cultural do 3º Festival do Umbu: “árvore sagrada do sertão” contará com concurso de poesias, músicas e artes plásticas relacionadas ao tema do evento, show com artistas locais, visitas a stand e plantio simbólico de uma muda de umbuzeiro.
 
Entidades como o Irpaa, Sebrae, Ebda, Conab, sindicatos rurais e associações apoiam a iniciativa legitimando assim a viabilidade de um projeto social e ambientalmente sustentável voltado para a Convivência com o Semiárido.

 
 
 
O reconhecimento do trabalho da Cooperativa
 
A experiência da COOPERCUC hoje está voltada para o processamento do leite e de frutas como manga, goiaba, banana, maracujá amarelo e maracujá da caatinga, mas o umbuzeiro ainda é a principal árvore que fornece a matéria-prima para a produção da cooperativa.
 
A responsabilidade de estar entre as cinco cooperativas no Brasil que possuem o selo nacional da Agricultura Familiar, garante também que os produtos processados e embalados nas 13 unidades hoje existentes são resultados de um processo que se preocupa com a qualidade de vida e autonomia das famílias e, principalmente, com a preservação ambiental.
 
Todos os produtos utilizados na fabricação dos doces, geléias, iogurtes, compotas são de origem orgânica, assim como o açúcar. Outros materiais como as embalagens também são oriundos de empreendimentos da Agricultura Familiar. 
 
No cuidado com a caatinga, a colheita do umbu, por exemplo, é feita seguindo normas que garantem o cuidado com a árvore e com a saúde dos/as produtores/as. Para isso, as pessoas usam roupas e calçados adequados e colhem os frutos com a mão, sem sacudir os galhos. Para produzir o picles do xilopódio de umbuzeiro (raiz ou batata da planta) mudas são plantadas especificamente para isto, sem precisar extrair a raíz das árvores já existentes, o que mataria o umbuzeiro.
 
Outro cuidado importante é com a lenha usada nas caldeiras das mini-fábricas, a qual deve, obrigatoriamente, ser de árvores mortas ou da algaroba que é uma planta exótica e de fácil proliferação. Nas comunidades onde a algaroba ainda não existe em grande quantidade, a cooperativa tem comprado de outros povoados para suprir a demanda de lenha necessária e assim contribuir também com a geração de renda para outras famílias da região.

 

A importância da criação da COOPERCUC
 
Ainda na década de 1990, a partir de uma mobilização realizada pelo Irpaa, oito mulheres de Uauá participaram de uma capacitação para o trabalho de beneficiamento do umbu. O pequeno grupo se tornou multiplicador da ideia e com o passar dos anos a experiência foi se fortalecendo, resultando na criação do grupo “Unidos do Sertão” que, em 2004, deu origem a COOPERCUC.
 
Antes de por em prática a ideia do beneficiamento, a colheita do umbu já era feita na comunidade, porém apenas para consumo ou venda para o atravessador. Hoje os produtos feitos nas mini-fábricas distribuídas em comunidades rurais dos três municípios e na unidade central que fica na sede do município de Uauá, fazem parte da merenda escolar de escolas estaduais de 13 municípios da região, sendo parte de uma parceria com a CONAB, o que envolve diretamente 134 produtores.
 
A compota de picles, usado como aperitivo, é um dos produtos mais novos e que tem tido uma boa aceitação no mercado. A calda para cobertura de sorvete, feita a partir do suco concentrado e do doce cremoso do umbu, é o mais novo experimento que está sendo consumido e avaliado em um impório em São Paulo e, de acordo com o atual presidente da cooperativa, Adilson Ribeiro, em breve estará sendo produzido em maior quantidade para comercialização.
 
As famílias cooperadas melhoraram as condições financeiras e hoje sabem da importância de preservar a caatinga, tendo em mente que o semiárido é viável, desde que saiba conviver com o mesmo. Esta discussão, bem como a experiência da COOPERCUC, vem sendo estimulada nas comunidades onde o Irpaa atua.
 
Para mais informações sobre a importância de se preservar a caatinga, acesse: Projeto Recaatingamento
 

 


Veja também

< voltar    < principal    < outras notícias

Página:

3º Festival do Umbu destaca os resultados do beneficiamento de frutas da caatinga

Para:


Suas informações:



(500 caracteres no máximo) * Preenchimento obrigatório


Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48905-531 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005