IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Siga-nos:



Notícias

Sétimo dia: De Adão Preto a Zé de Antero.

Roberto Malvezzi (Gogó)

Hoje ocorreu o enterro de Zé de Antero, dez dias depois de sua morte. Foi encontrado morto nas caatingas de Areia Grande, terras pelas quais lutou a vida toda junto com inúmeras comunidades da região. Há mais de trinta anos Zé era uma das lideranças de Riacho Grande. Resistiu ao agronegócio do regime militar, resistiu ao agronegócio do governo Lula. No regime militar queriam as terras das comunidades para plantar mandioca e fazer álcool. Agora querem para plantar cana e também fazer álcool. Acabou morto por dois tiros de espingarda. Não se conhece o assassino, apenas a certeza da pistolagem. Seu enterro demorou porque o corpo não tinha sido liberado pelos investigadores.

No mesmo dia em que o corpo de Zé foi encontrado na caatinga, já em decomposição, recebemos a notícia da morte de Adão Preto. O que um deputado gaúcho tinha a ver com um criador de bode das caatingas nordestinas?

É certo que nunca se viram. Mas os dois trilharam os caminhos das lutas por um Brasil justo no campo, com terra, água, vida digna para o campesinato brasileiro. Adão tinha origem rural e virou deputado da causa. Era presença certa e contínua nas romarias da Terra e da Água do Rio Grande do Sul, juntamente com seu parceiro de repentes e Olívio Dutra. Esse ano, na romaria que acontece no período do carnaval, Adão será uma memória viva.

Não pude ir ao enterro de Zé de Antero, mesmo nos conhecendo há mais de trinta anos. Estava numa reunião da equipe de "Terra, Água e Meio Ambiente" do CELAM, em Bogotá, quando recebi no mesmo dia a notícia das mortes de ambos. No mesmo grupo formado por quatro pessoas da América Latina e Caribe, estava o companheiro Marcelo, da CPT Bolívia.

Agora ela substitui Cármen Del Rio, antes da CPT, agora embaixadora do governo Evo Morales na Espanha. Marcelo nos contava das conquistas dos pobres da Bolívia, particularmente dos índios e dos campesinos, e a conquista do limite da propriedade de terra naquele país. Simples, já que não tinha apoio parlamentar, Evo jogou para um plebiscito popular a aprovação ou não da limitação. Cerca de 80% dos bolivianos aprovaram a medida constitucional, inclusive nas regiões que fazem oposição a Evo.
Talvez aqui esteja o significado mais profundo das mortes de Adão e Zé de Antero. Quando um país quer fazer justiça ao seu povo, um dia consegue. Quando os dirigentes decidem permanentemente ludibriar o povo, inclusive as originárias do movimento popular, o povo acaba com um tiro na cara, assim como Zé de Antero.

Mas, a vida dada de Adão e Zé dizem que essa é uma luta que não se acaba enquanto a justiça não triunfar. Se a Bolívia conseguiu, porque não o Brasil?

Sim, nós podemos.


Veja também

< voltar    < principal    < outras notícias

Página:

Sétimo dia: De Adão Preto a Zé de Antero.

Para:


Suas informações:



(500 caracteres no máximo) * Preenchimento obrigatório




Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48905-531 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005