IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Siga-nos:

Notícias

Comunidades tradicionais cobram de governo do estado regularização fundiária durante 6º festival do Umbu

Comunidades tradicionais cobram de governo do estado regularização fundiária durante 6º festival do Umbu

 

“Vim aqui falar do que ninguém falou, que sem terra ninguém beneficia umbu”, rebateu o representante da Articulação Estadual de Fundo e Fechos de Pasto, Cosme Araújo, durante a solenidade de abertura do 6º Festival do Umbu, em Uauá no último dia 21. Esta fala marcou um dos momentos do protesto das comunidades tradicionais durante o Festival com o objetivo de reivindicar diretamente ao representante do governo do estado agilidade nos processos de regularização fundiária do territórios.

Valdivino Rodrigues, da Articulação de Fundo e Fecho de Pasto, explicou que a Articulação aproveitou a oportunidade de ter representante do governo na região, para cobrar a demanda das comunidades, já que o governo não tem garantido agenda com a Articulação para debater e resolver a questão fundiária das comunidades tradicionais.

Cosme acrescentou que a reivindicação vai no sentido de cobrar que o governo cumpra seu papel, como o de garantir condições de realizar a busca ativa das comunidades e a certificação das mesmas no prazo estipulado pela lei 12.910/2013, até 2018. “Nós sabemos que só temos quatro anos para fazer essa busca ativa, porém o governo não tem dado nenhuma importância e nem tem ido fazer o trabalho que seria dele. E nós estamos ajudando o governo nessa busca ativa e ele não tem se comprometido”, afirmou Cosme.

Resposta do Governo


No evento quem estava representando o Governo era Jairo Carneiro, da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura – Seagri, que passou para Rui Costa, da Casa Civil, o papel de falar em nome do Governo da Bahia. Rui afirmou aos manifestantes que até sexta-feira (28 de março), será realizada uma reunião da Governadoria com representantes da Articulação de Fundo e Fecho de Pasto para tratar da regularização fundiária e publicação do decreto de regulamentação da lei até esta mesma data.

Representações de várias regiões da Bahia estavam presentes no ato: Senhor do Bonfim, Andorinha, Monte Santo, Uauá, Sobradinho, Casa Nova, Santa Maria da Vitória, Correntina, Vitória da Conquita, Oliveira dos Brejinhos, Remanso. Com faixas, as comunidades mostraram com força que estão empenhadas na defesa do seu jeito de viver no Semiárido nos seus territórios.

Exigência de condições de permanência na terra


Durante o evento também foi distribuída uma carta do movimento explicando a real situação das comunidades, repudiando a lei por ela não contemplar os anseios e as necessidades reais das famílias tradicionais. A mesma lei desrespeita a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). “Os nossos territórios, tradicionalmente ocupados, tem garantia jurídica. No entanto, a lei não vem sendo colocada em prática. Por isso, exigimos o título definitivo dos nossos territórios”, diz trecho da carta.

Valdivino denuncia que as comunidades vivem incertezas diante da situação agrária e que isto precisa ser resolvido. “Os povos tradicionais precisam ser preservados. Sem a garantia de modos de vida tradicionais, do território, isso se acaba, daqui alguns anos não teremos mais Festival do Umbu”, registra. Hoje o Festival é um modelo de bem viver que preserva o meio ambiente e a vida no campo, sendo fruto da existência e do jeito de viver das comunidades tradicionais, explica Valdivino. “Que não é o mesmo tipo desenvolvimento que o Estado apóia”, afirma.

A Lei 12.910/2013


Foi publicada no Diário Oficial da Bahia, em outubro de 2013, a Lei Nº 12.910 que estabelece dezembro de 2018 como prazo limite para “regularização fundiária de terras públicas estaduais, rurais e devolutas, ocupadas tradicionalmente por Comunidades Remanescentes de Quilombos e por Fundos de Pastos ou Fechos de Pasto”.

A Lei foi uma reivindicação dos movimentos sociais organizados, porém, da forma como foi aprovada não contemplou os anseios populares, especialmente das comunidades rurais, objeto central da Lei.

6° Festival do Umbu


É um evento coletivo que promove intercâmbios de experiências, articulação entre agricultores/as familiares e organizações, espaço de visibilidade de boas práticas na região, formação, divulgação e fortalecimento da economia solidária e da Agricultura Familiar. Em sua 6ª edição, o Festival vem sendo realizado anualmente pela Coopercuc, organizações e entidades das região, como o Irpaa. Neste ano internacional da Agricultura familiar, o Festival teve como lema “As mãos que alimentam a nação”. O evento aconteceu nos dias 21 e 22 de março , em Uauá, na Bahia.

Clique aqui para ler a carta distribuída pela Articulação de Fundo e Fecho de Pasto

Texto e Fotos*: Comunicação Irpaa (com contribuição fotográfica de Laercio Lucas)


Veja também

< voltar    < principal    < outras notícias

Página:

Comunidades tradicionais cobram de governo do estado regularização fundiária durante 6º festival do Umbu

Para:


Suas informações:



(500 caracteres no máximo) * Preenchimento obrigatório


Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48905-531 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005