IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada

Viver no sertão é conviver com o Clima

Formulário de Busca

Siga-nos:

Notícias

III ENA começa com muita alegria e em defesa da diversidade

III ENA começa com muita alegria e em defesa da diversidade

Com muita animação puxada pela Fé e Axé, banda da região do sertão do rio São Francisco, a mística de abertura do III Encontro Nacional de Agroecologia (ENA), realizado em Juazeiro (BA), envolveu os participantes na defesa da diversidade do povo e da cultura brasileira. Após uma apresentação teatral, contrastando a biodiversidade com as grandes empresas do agronegócio, tocaram músicas típicas e receberam as organizações e participantes, inclusive internacionais, no meio de uma ciranda organizada por regiões e com um grande abraço coletivo.

A coordenadora da mesa de abertura, Maria Emília Pacheco, do núcleo executivo da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA) e presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), destacou a importância da composição dos participantes: indígenas, agricultores familiares, convidados, apoiadores, dentre outros movimentos e setores da sociedade, representados em 70% de agricultores e 50% de mulheres. Ela apresentou os apoiadores, tanto de empresas estatais e dos ministérios quanto agências internacionais, e representantes dos governos municipal e estadual.

A pró reitora de extensão da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Lucia Marisy, anfitriã do encontro, defendeu que a academia tem uma responsabilidade muito grande na formação de jovens com perfil de valorização da vida, da terra e o conhecimento tradicional. “Muito melhor, mais voltado para as necessidades da sociedade. Com a irrigação na região as populações ribeirinhas estão sofrendo, encurtando suas vidas por conta de produtos agroquímicos e a sociedade é omissa, inclusive a universidade. Precisamos desenvolver práticas para mudar o rumo, para que a agricultura familiar possa se sobrepor em termos de recursos e políticas públicas ao capital”, disse.

É um momento absolutamente positivo no país, ocorreram ontem (15) manifestações com jovens e trabalhadores discutindo o futuro, segundo Selvino Heck, secretário executivo da Comissão Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (CNAPO). “No dia 21 de maio a Dilma vai lançar a Política Nacional de Participação Social com o novo marco, assim como o novo marco referencial para as políticas públicas. Estamos vivendo no Brasil e América Latina um momento especial, e a agroecologia faz parte de uma nova utopia real que estamos construindo e precisamos construir”, explicou.

A realização do evento enfrentou algumas dificuldades de infraestrutura e logística, reconhecidas pela Comissão Organizadora, que já estão sendo solucionadas. Mas, de acordo Marcia Muniz, do Serviço de Assessoria a Organizações Populares Rurais (Sasop), o encontro foi pensado cada momento com muito carinho. “É um processo de afirmação e agroecologia em Juazeiro, porque a região tem o agronegócio muito forte, inclusive com um evento anual. Então precisamos visibilizar a agroecologia para fortalecer esse conjunto de experiências que vêm sendo realizadas. Mostrar o quanto a agroecologia é importante, e a troca de experiências durante o encontro, além de apresentar ao governo demandas necessárias dessas experiências”, ressaltou.

“Para alguns o lema pode ser apenas conseguir um alimento mais saudável para sua saúde, para outros o cuidado com a mãe terra, a água, o ar, a biodiversidade, cultura, autonomia dos territórios e por aí vai”, disse Noemi Krefta, do Movimento das Mulheres Camponesas (MMC) que representou a ANA na mesa.

Segundo a agricultora, o III ENA é uma construção fruto de encontros estaduais, de mulheres, caravanas agroeocológicas e outras atividades. “Seu objetivo é destacar a grande expressão da agroecologia que se fez presente nessas caravanas, experiências bastantes visíveis e que não são nichos. Trazem um enfrentamento organizado no partilhamento das sementes, nas plantas medicinais, no alimento saudável e lutas pela preservação da água e ambiente, além da luta contra os agrotóxicos e transgênicos, etc. A valorização das identidades nos territórios, como a organização das mulheres buscando seus espaços de direito nesse processo. A agroecologia como projeto de país, uma forma de vida”, concluiu.

Texto: Ascom ENA


Veja também

< voltar    < principal    < outras notícias

Página:

III ENA começa com muita alegria e em defesa da diversidade

Para:


Suas informações:



(500 caracteres no máximo) * Preenchimento obrigatório


Campanhas

Newsletters

Cadastre seu e-mail para receber notícias.

Formulário de Contato





Faça sua doação


Copyright © 2005 - 2009 IRPAA.ORG Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada - IRPAA
Avenida das Nações nº 04 - 48905-531 Juazeiro - Bahia, Brasil
Tel.: 0055-74-3611-6481 - Fax.: 0055-74-3611-5385 - E-mail: irpaa@irpaa.org - CNPJ 63.094.346/0001-16
Utilidade Pública Federal, Portaria 1531/06 - DOU 15/09/2006 Utilidade Pública Estadual, Lei nº7429/99
Utilidade Pública Municipal, Lei nº 1,383/94 Registro no CNAS nº R040/2005 - DOU 22/03/2005